mabfeltran on Instagram

Marina Feltran

Justo a mim me coube ser eu... 🍀

Similar users See full size profile picture

Report inappropriate content

@mabfeltran photos and videos

No templo venerando o deus britânico para que ele ainda caminhe por muito tempo sobre a Terra. Só assim para explicar a energia que esse homem ainda tem aos 76 anos para fazer 3 horas de show impecável ❤️❤️❤️

6

Ao longo de 5 meses e 28 dias, ouvi 182 álbuns de 16 diferentes bandas/artistas. Foi um total de 2071 músicas que, se tocadas ininterruptamente, demorariam 163h 34 min (6 d 9h 34 min). Foram cobertos 55 anos de música produzida por artistas de 7 nacionalidades diferentes. A disciplina e a persistência foram fundamentais para me manter firme no propósito de ouvir com atenção todos esses álbuns, como eles mereciam. Principalmente nesses tempos em que redes sociais, joguinhos e podcasts sugam nosso tempo. Meu objetivo foi não deixar a música perder importância na minha vida. Pretendo fazer outras listas em breve. Algumas curiosidades: - Metade das bandas / artistas são ingleses. 20% são brasileiros - Música mais longa: "Octavarium" do álbum Octavarium do Dream Theater com 24 min - Música mais curta: "Yeah" do álbum Made in Heaven do Queen com 4 segundos - Álbum mais longo: The Astonishing do Dream Theater com uma duração de 2 horas, 10 minutos e 23 segundos - Álbum mais curto: Sheer Heart Atack do Queen com uma duração de 30 minutos e 9 segundos - Banda com mais trabalhos: Rush com 19 álbuns de estúdio - Artista com menos trabalhos: Adele com 3 álbuns de estúdio (também com o menor número de músicas: 34) - Banda com mais tempo de atividade contínuo: Rush com 47 anos de atividade - Banda com menos tempo de atividade: Beatles com 10 anos apenas (mas com o maior número de músicas lançadas nos álbuns de estúdio, sem contar os singles: 193) - Das 2071 músicas, 160 são instrumentais e apenas 29 são covers

11

#albumdodia Ribeira Sacra é o décimo terceiro álbum de estúdio e último até o momento do Luar na Lubre e foi lançado em 01 de junho de 2018 ( #spoiler último desta lista). Ribeira Sacra é uma região do sudoeste da Galícia recheada de mosteiros e vinícolas e de grande beleza natural. Todo o álbum é uma homenagem a esse pedaço de terra tão caro aos galegos e, por se tratar de uma região com tantos monastérios, há uma mescla entre música tradicional e sacra. O álbum conta com a participação em diversas canções do Coral de Ruada, grupo vocal galego que existe desde 1918. O destaque vai para “Os Tafenos da Gaurra”, a qual são usados metais (talvez inéditos?) formando uma bela composição com os demais instrumentos

2

#albumdodia ØMNI, lançado em 16 de fevereiro de 2018, é o nono e até o momento álbum de estúdio do Angra. Segundo a própria banda, esse álbum é "conceitual", deuma história que se passa em 2046, quando a tecnologia avançou tanto que se torna possível uma viagem no tempo através das consciências humanas que se interconectam. Com esse plot, alguns conceitos e histórias dos albuns passados da banda são revisitados. Dessa maneira, não só liricamente, como musicalmente, os elementos característicos da banda são revisitados, entretanto com muita criatividade: ritmos brasileiros, rock progressivo, power e melodic metal, baladas. O trabalho de bateria do Bruno Valverde está sensacional e os vocais de Lione estão poderosos e de Rafael estão emotivas. A partir desse trabalho temos a presença na guitarra do excelente Marcelo Barbosa e, para surpresa geral, temos a participação de Sandy na música "Black Widows Web" e sua voz que combinou muito bem com o estilo. O destaque vai para "Travelers of Time" e para a sua bateria criativa e para a bela interpretação de Rafael em "The Bottle of My Soul"

1

#albumdodia The Source, lançado em 28 de abril de 2017, é o nono e até o momento ultimo álbum de estúdio do Ayreon. Mais uma vez Arjen empolga com mais uma ópera rock, em álbum duplo, que retoma o universo criado há tantos álbuns atrás. Desta vez, a é contada a pré-sequência do álbum 01011001, de como os Forever se formaram. Conta a história que humanos habitavam o planeta Alpha, cujos problemas ambientais causados por interferência dos seus moradores daria fim à humanidade. O "Presidente" dessa sociedade cria uma inteligência artificial (Frame) que irá cuidar dos problemas que estão afetando o planeta. Essa inteligência artificial chega à conclusão que a maneira de solucionar esses problemas é exterminar a humanidade. Antes do cataclisma, um grupo de 10 indivíduos foge para um outro planeta, recoberto totalmente de água (Y), deixando toda a humanidade para trás e levando consigo a missão de continuar a espécie. Através da criação de uma nova tecnologia (Source) por um desses viajantes, os remanescentes da espécie humana atingem a imortalidade. Agora o time de estrelas está maior ainda, contando com James LaBrie, Hansi Kürschi, Russel Allen, Tobias Sammet, Floor Jansen, Simone Simons, entre outros, com interações ainda mais interesantes e arrepiantes que os álbuns anteriores. Os arranjos instrumentais também não ficam para trás, com um peso mais acentuado nas guitarras, mas ótima presença doa teclados também. O destaque, que foi difícil escolher, vai para a música de abertura, "The Day That the World Breaks Down" que traz praticamente todos os cantores e dá o tom do álbum

3

#albumdodia F.E.A.R. é o décimo sétimo e até o momento último álbum de estúdio do Marillion e foi lançado em 23 de setembro de 2016. O título é um acrônimo para Fuck Everyone and Run e indica o estado de espírito desse álbum, que foi lançado entre: referendo do Brexit, discussões sobre mudanças climáticas, ameaças terroristas, ascensão da extrema direita e como esses eventos são reflexo do individualismo exacerbado do ser humano. Musicalmente, as faixas tem um teor mais melancólico e xom arranjos muito dignos, e são divididas em 3 suítes subdivididas em partes menores e mais 3 músicas individualizadas, formando um sólido álbum de rock progressivo. O álbum foi lançado por meio de um financiamento coletivo, como já havia acontecido em algumas obras anteriores da banda. O destaque vai para "Living in F E A R" a qual mais uma vez Marillion traz o discurso anti armamentista

1

#albumdodia The Astonishing, lançado em 29 de janeiro de 2016, é o décimo terceiro e último (por muito pouco tempo) álbum de estúdio do Dream Theater. Esse álbum duplo de mais de 2h de duração foi concebido como um trabalho conceitual, cuja história em dois atos foi criada por Petrucci. A história se passa em 2285, em um império no hemisfério norte, dominado por governo autoritário que, impede o acesso à cultura em geral (Fahrenheit 451 feelings) e vigia toda a população através dos Nomacs, máquinas que além da função de vigilância, também tem a função de prover um entretenimento controlado. O desenvolvimento dessa ópera rock se dá com a luta de rebeldes contra a tirania do imperador e das máquinas, através do poder e da sensibilidade da música (2112 feelings). É a obra mais diferente do DT até o momento, tanto que lembra muito mais um musical, com todas as orquestrações, sons incidentais mudanças de estilo, que um "simples" álbum prog conceitual. Há de se elogiar o trabalho de interpretação de LaBrie que imprime personalidades diferentes pra cada personagem que entra em cena. O álbum foi tratado como um verdadeiro musical pela banda, tanto que a turnê de divulgação foi feita exclusivamente para apresentação de todas as músicas tocadas na ordem, com telas apresentando cenas da história e público acomodado como em um teatro. Foi uma experiência muito interessante ir a esse show em São Paulo. O destaque vai para "A New Beginning" pelo casamento perfeito entre as vozes e o instrumental

1

#albumdodia Extra Mundi, lançado em 4 de dezembro de 2015, é o décimo segundo álbum do Luar na Lubre. Como o nome do álbum dá a entender, o grupo explora a musicalidade dos outros povos ibéricos, como uma maneira de contrapor a homogeneização cultural dos tempos atuais. O álbum tsm músicas, algumas instrumentais e outras cantadas dos 5 cantos da península, além do povo galego: catalão, vasco, asturiano e castelhano. O destaque vai para a tradicionalíssima "The sailors hornpipe"

1

#albumdodia 25 é o terceiro álbum de estúdio da Adele e foi lançado em 20 de novembro de 2015. A demora em lançar um novo álbum foi mais um bloqueio criativo, segundo a cantora. Tanto que ela até pensou em abandonar a carreira. Não existe mais aquela angústia da dor de cotovelo, mas existe a nostalgia permeando os principais temas. Musicalmente, o álbum já tende um pouco mais para o pop mas mantendo o R&B como base. O destaque vai para "When We Were Young", um hino às memórias da juventude

3

#albumdodia The Book of Souls, lançado em 4 de setembro de 2015, é o décimo sexto e até o momento último álbum de estúdio do Iron Maiden. É um álbum duplo lançado depois de 5 anos de hiato e que traz homenagens na forma de riffs e estilo a toda sua trajetória, através de algumas fórmulas já consagradas. Apesar da idade já avançando, os integrantes da banda mostram a mesma energia de sempre. Na capa, vemos um Eddie com temática Maia e o logo do Iron voltando abo que era nos primórdios. O destaque vai para "Empire of the Clouds", maior música do Iron já lançada, com 18 min de duração

1

#albumdodia Dawn of a New Sun é o quarto álbum de estúdio do Tuatha de Dannan e foi lançado em 6 de junho de 2015. Depois de mais de 10 anos de hiato, os integrantes da banda, que estavam tocando projetos paralelos, voltaram para lançar essa preciosidade. Com um álbum muito bem produzido, os mineiros voltaram com instrumental mais apurado e com bastante feeling. As músicas são mais pesadas que as antigas, mas toda aqurla energia do folk que é característica do Tuatha está aí, dando aquele comichão de sair dançando. Para fevereiro desse ano, está previsto o lançamento de mais um trabalho inédito. Aguardo ansiosa! O destaque vai para "We're Back" que abre as portas para o mundo mágico do povo da Deusa Danu

1

#albumdodia Beyond the Red Mirror, lançado em 30 de janeiro de 2015, é o décimo álbum de estúdio do Blind Guardian. Esse álbum conceitual continua as histórias contadas em Imaginations From the Other Side, nas músicas "Bright Eyes" e "And the Story Ends", e mostra visões e contrastes entre o mundo real e o imaginário que são separados pelo espelho vermelho. Musicalmente, o álbum se diferencia muito pouco dos dois últimos, mantendo a pegada sinfônica progressiva: coros, orquestrações, melodias crescentes, harmonias grandiosas. O destaque vai para a música mais diferente do álbum: "Miracle Machine" que é praticamente apenas piano e a voz impressionante de Hansi. Aguardando novidades dos bardos para os próximos trabalhos

1

#albumdodia Secret Garden, lançado em 17 de dezembro de 2014, é o oitavo álbum de estúdio do Angra. Uma nova formação é iniciada nessa terceira fase da banda. Com a saída de Edu Falaschi, Fabio Lione (ex Rhapsody) é convidado para participar da turnê de comemoração de 20 anos do lançamento do Angels Cry, sendo integrado definitivamente à banda no período de gravação e produção deste álbum. A bateria é assumida por Bruno Valverde após a saída de Ricardo Confessori. O álbum conta com a participação de Simone Simons que canta integralmente a faixa título e de Doro Pesch na música "Crushing Room". É outro álbum conceitual que conta a história de Morten Vrolik, um cientista que após a morte de sua amada embarca em uma jornada interna de auto-conhecimento. Mesmo com a mudança de formação, a banda mantém suas principais características: exploração do som progressivo e flerte com batidas tipicamente brasileiras. Mas temos algumas novidades: Rafael Bittencourt assumindo alguna vocais; a presença de uma balada só com voz e violão ("Silent Call"). A renovação junto com o respeito ao passado da banda fez muito bem para o resultado final desse álbum. O destaque vai para "Newborn Me" que abre o disco apresentando a nova fase

1

#albumdodia The Theory of Everything é o oitavo álbum de estúdio do Ayreon e foi lançado em 28 de outubro de 2013. A saga que conduziu os álbuns anteriores foi finalizada no anterior e agora uma história diferente é contada. É um álbum duplo que contém 4 partes ou fases divididas em 42 músicas (Sim! É uma referência ao Guia do Mochilero das Galáxias!). As partes em questão são: "Singularity", "Symmetry", "Entanglement" e "Unification". Aqui é contada a história de um jovem (Prodígio) com Síndrome de Savant que cresce fechado em seu casulo. Enquanto sua Mãe tenta trazê-lo para uma vida social saudável, seu Pai, um cientista notável, apenas se preocupa em desvendar a equação que possa explicar todas as forças do universo e tenta usar a genialidade de seu filho para alcançar seu objetivo. Além desses personagens, temos o Professor, que vê no Prodígio um futuro de sucesso (inclusive para si); a Garota, que se torna sua namorada e porto seguro; o Rival, que disputa com o garoto o lugar de destaque como gênio e o Psiquiatra, que diagnostica e propõe um tratamento pouco ortodoxo para o rapaz. A história se desenvolve em torno da resolução da Teoria de Tudo ao longo de todo o processo de desenvolvimento das capacidades do Prodígio. Como era de se esperar, Lucassen traz intérpretes excelentes para cada personagem, instrumentistas grandiosos para compor a equipe e a orquestração é muito bem feita. E vale lembrar que temos a presença de três dos maiores tecladistas do mundo: Keith Emerson, Rick Wakeman e Jordan Rudess. O destaque vai para o conjunto de músicas 3: "Entanglement", com os melhores solos de flautas do álbum

7

#albumdodia Dream Theater, lançado em 27 de setembro de 2013, é o décimo segundo álbum de estúdio da banda homônima. É o primeiro álbum em que Mangini participa de todo o processo criativo e faz um bom trabalho na bateria. Mesmo assim, mais uma vez, o foco fica dividido entre a guitarra de Petrucci e os teclados de Rudess. O álbum tem bastante energia e é mais pesado que anterior. Depois de 5 álbuns a banda voltou a gravar música instrumental, apresentando 2 faixas: "False Awakening Suite" e "Enigma Machine". O destaque vai para "Illumination Theory", faixa de 22 minutos e seu final "escondido" com um belo piano

1

#albumdodia Sounds That Can't Be Made é o décimo sexto álbum (ou décimo sétimo contando que o anterior foi lançado em 2 volumes) do Marillion e foi lançado em 17 de setembro de 2012. O álbum é dividido entre grandes músicas progressivas e pop rocks mais curtos, seguindo uma fórmula relativamente comum da era H. São no geral músicas bastante expressivas e bem interpretadas por Hogarth. Em relação ao instrumental não há discussão que a banda fez mais um belo e complexo trabalho. O destaque vai para a faixa título e para o solo de guitarra de Rothery

1

#albumdodia Clockwork Angels é o décimo nono e último álbum de estúdio do Rush e foi lançado em 12 de junho de 2012. Para fechar a carreira com chave de ouro, Rush lança um álbum conceitual contendo uma narrativa steam punk que conta a história de um homem que vive em um mundo controlado pelo Relojoeiro e que sai de sua pequena cidade em busca doa Anjos mecânicos para obter sabedoria. A história foi criada em "parceria" com Kevin J Anderson, que lançou posteriormente, sob o mesmo nome, a novelização da história do álbum. Kevin era um fã de longa data do Rush e seu primeiro romance lançado (Ressurection Inc.) foi baseado no álbum Grace Under Pressure. 3 anos após o lançamento deste álbum, Rush faria sua última turnê, comemorando 40 anos de história e se despedindo de seus fãs ardorosos. O destaque vai para "The Garden", última faixa do álbum, que explica a vida como um jardim que vai retribuir o amor e respeito que for plantado (impossível não relacionar com a mensagem final dos Beatles em "The End")

4

#albumdodia Mar Maior é o décimo primeiro álbum de estúdio do Luar na Lubre e foi lançado em 5 de junho de 2012. O mote desta vez é combinação entre as culturas e tradições galaico-portuguesa e gaélica irlandesa. São dois povos que vivem à beira do Atlântico e que compartilham raízes. A inspiração veio das cantigas medievais das duas culturas. Do lado galego, a referência são as cantigas do Rei Afonso X que misturavam a cultura popular com as trovas dos peregrinos do Caminho de Santiago. Do lado irlandês, a referência é o Leabhar Gabhála Éireann (Livro das Invasões Irlandesas) que mistura folclore, mitologia e história daquela região, dos Tuatha (povo da ilha da Irlanda) e de Ith, filho de Breoghán, pai da nação galega. O destaque vai para "Romance de Novembro", canção tradicional irlandesa, cantada em galego

1
Next »